Publicação em destaque

INTERPRETAÇÃO SIMPLIFICADA DO PROCESSO EXECUTIVO simplex

Esta é a leitura do cidadão comum  acerca do fenómeno processual que transformou o valor do seu trabalho num prejuízo indefinido:   ‒ O ...

domingo, 16 de setembro de 2018

BAAP – The Bank Assault Art Project ABSTRACT



O projecto de arte contemporânea simplificada BAAP - The Bank Assault Art Project, é um título que explora o conceito do “assalto ao banco” no sentido inverso:
‒ O banco é que “assalta” o cidadão comum.
BAAP é dedicado à Crise Financeira Imobiliária Internacional gerada pelos bancos e que afectou a vida de milhões de pessoas em todo o mundo. É também dedicado aos políticos e aos banqueiros, «cuja visão misantrópica da existência os transformou em cegos, conduzidos por cegos».
Um alerta para a próxima «BOLHA», que será fatal, mas certamente será paga por todos nós, de qualquer forma.
A propósito desta doença crónica, desgastante e absurda, surgiu de forma natural o conceito de um manifesto urgente: – Eu não assaltei o banco!
É aquilo que o cidadão comum terá a dizer quando confrontado com as crises da banca que depois são pagas por si, apesar de sobre elas não ter qualquer responsabilidade directa.
Este será então o slogan do projecto simplificado de arte contemporânea THE BANK ASSAULT ART PROJECT, que simboliza o «carimbo» que todos precisamos usar na testa, sobre o rosto, para protecção, como uma espécie de «vacina», e também para não nos confundirem com subprimes, com criminosos ou com especialistas.
Um QUADRO, que devemos colocar bem visível à entrada de nossa casa, para que o Estado não mande arrombar a porta, para dar a casa ao banco que a desvalorizou para comprar, e depois vender com lucro, sem pagar impostos.
É um projecto também “em processo”, certamente, composto por uma colecção única e em desenvolvimento de MIL IMAGENS, de temática, estética e origens diversas, com o “carimbo” do slogan. O conceito de arte contemporânea simplificada é um processo simples de concepção e produção de imagem, conquanto se trata da sobreposição do texto do carimbo “eu não assaltei o banco” sobre a imagem, cujo conteúdo é diverso, abrangendo múltiplas temáticas, figurativas e abstractas. A sobreposição quase aleatória imposta pelo lettering do slogan sobre a imagem de fundo simboliza a imposição exercida pela banca na vida das gentes e a sua intromissão na vida privada das pessoas.
A colecção de imagens será disponibilizada para download ou para impressão em múltiplos suportes e formatos, em plataformas de print on demand cuja montagem e configuração está praticamente concluída.
A coisa “crise” é cíclica. A BANCA não vai resistir à tentação... a próxima grande crise financeira já vem a caminho e os banqueiros sabem disso. O mercado já está a ser inundado de novas casas para vender. O juro já está “negativo”. Preparemo-nos então para a mãe-de-todas-as-bolhas.
Um carimbo na testa é incómodo mas “uma imagem vale mais do que mil palavras”.




______________________________


Faro, 4 de Setembro de 2018
Álvaro de Mendonça

OBS
O slogan eu não assaltei o banco e o sítio na internet [ www.eunaoassalteiobanco.com ], bem como o respectivo merchandising, já disponível na Redbubble [ https://www.redbubble.com/people/alvaromendonca ] (em preparação para outras plataformas), são edições exclusivas da editora Antares Editores [ www.antareseditores.pt ]







Sem comentários:

Publicar um comentário